quarta-feira, 5 de julho de 2017

Pontualidade


Faltavam 45 minutos para o meu compromisso em Campolide. Em regra, demoraria 15 minutos a lá chegar. Fui com tempo. "Esperto", ao ver a intensidade do trânsito na rua da Lapa, que indiciava já um "rush" sobre o Rato, "escapei" por Campo de Ourique. Mas nem uma agulha bulia, logo no meio da Sampaio Bruno. "Connaisseur" como sou, tentei ir dar aos Terramotos por uma via interna que eu cá sei. Qual quê! Nada, ninguém se mexia, pelos vários cruzamentos do bairro. Ao fundo de cada rua, viam-se filas perpendiculares de carros, sempre parados. Bom, para grandes males, grandes remédios: talvez por Alcântara e, depois, "fintar" os engarrafamentos pela Avenida de Ceuta. Ia já pela Maria Pia quando percebi que, por ali, também estava "perdido". Rumei de volta aos Prazeres e, claro, regressei a casa. Pontualmente. Cheguei precisamente à hora a que deveria arribar ao meu compromisso. Achei que, para comemorar, merecia um gin tónico, no jardim. E cá estou. A horas, claro.

3 comentários:

Joaquim de Freitas disse...

O que enerva com a pontualidade, é que nunca ninguém lá está para a apreciar.

Fernando Correia de Oliveira disse...

fora de Lisboa, penso adivinhar o compromisso - este ano, falto ao "Patrocínio". E, já agora, como se costuma dizer, em Portugal a pontualidade faz perder muito tempo a quem é pontual.

Isabel Seixas disse...

A imagem dos relógios é tão bonita, boa escolha, adoro relógios como elemento decorativo.